Unidade 6 COOPERAÇÃO PRESSUPÕE DIÁLOGO!

Unidade 5 COOPERAÇÃO (OU INTERAÇÃO) NA REDE?

 Objetivos de aprendizagem desta Unidade de Estudo e Prática:
  • Refletir sobre a importância da cooperação no aprendizado, tomando consciência do papel das redes digitais na promoção dos processos cooperativos de trabalho e aprendizagem;
  • Compreender a estruturação e o alcance social e econômico de algumas das principais ferramentas de produção e/ou veiculação de conteúdo digital (wikis, YouTube etc.);
  • Refletir sobre a importância dessas ferramentas na construção de novas práticas pedagógicas;
  • Habilitar-se a incluir as postagens de vídeos no seu blog. 

(INTRODUÇÃO À EDUCAÇÃO DIGITAL ,GUIA  DO CURSISTA, PAG 105-106 BRASÍLIA, 2009 SEG. ED)

Leitura e debate do texto  abaixo:


O computador vai substituir o professor?

O diálogo que vou propor nesta coluna é sobre a escola. Acho que precisamos conversar sobre isso. A Internet está trazendo consigo um novo modelo de educação, uma forma diferente de aprendizagem, e precisamos entendê-lo, apropriar-nos disso, ser protagonistas da mudança.
Precisamos conversar principalmente porque a existência dessa grande rede nos faz pensar na escola que temos, ainda tão fechada, limitada, desconectada do mundo, da vida do aluno; ainda tão distante da realidade de imagens, sons, cores e palavras em hipermídia que constitui a nossa vida hoje.
Precisamos conversar sobre nossos sonhos para a escola, pois, se vocês não sabem, há séculos nós, pedagogos, acumulamos sonhos sobre a sala de aula. Ivan Illich sonhava com uma educação que não fosse limitada às instituições, que formalizam tudo. Jean-Jacques Rousseau pensava numa escola que não corrompesse o homem, deixando simplesmente vir à tona o que temos de melhor. Jean Piaget queria que os níveis mentais fossem respeitados, sem pular etapas, para que não tivéssemos que aprender aos saltos, ou decorar o que não entendemos. Freinet sonhava com uma escola que permitisse o prazer, a aprendizagem agradável e divertida.
Paulo Freire sonhava com um lugar em que o saber do aluno fosse valorizado, onde a relação vivida nas aulas fosse o ponto de partida para uma grande transformação do mundo. Goleman escreve sobre uma escola que permita desenvolver lado emocional, que tenha espaço para as artes, a música, as coisas que, enfim, nos fazem mais humanos.
Mas não soubemos concretizar muitos desses sonhos. Talvez ainda não tivemos tempo, porque era preciso primeiro preparar aulas, corrigir provas, anotar no quadro e nos cadernos tantas e tantas explicações. De repente a tecnologia entra na escola e nos obriga a recuperar tudo isso. A presença da máquina leva todo professor a se perguntar: como é a minha aula? Do que decorre: será que o professor vai ser substituído pelo computador? E sabemos que a resposta é sim, não temos a menor dúvida.
Explico: é que o pior de nós vai ser substituído.
A nossa pior aula, o lado repetitivo, burocrático e por vezes até acomodado da escola, esse vamos deixar para o computador. Ele saberá transformar nossas exposições maçantes em aulas multimídia interativas, em hipertextos fascinantes, em telas coloridas e interfaces amigáveis preparadas para a construção do saber. Então poderemos, finalmente, ficar com a melhor parte, aquela para a qual não nos sobrava tempo, porque pensávamos que devíamos transmitir conhecimentos.
Vamos receber de herança os sonhos de todas as outras gerações, redimi-las realizando tudo o que não puderam conhecer. Agora sim, está em nossas mãos a derrubada dos muros para fazer conexões com o mundo, a criação do espaço para a arte e a poesia, o tempo para o diálogo amigo, o trabalho cooperativo, a discussão coletiva, a partilha dos sentidos. Está em nossas mãos a construção de uma escola mais feliz, feita por mestres e alunos que saibam, juntos, propor links e janelas para a sala de aula, onde aprender não seja uma tarefa árdua e penosa, mas sim uma aventura.
Então será preciso que cada mestre se despeça da figura de professor transmissor de conteúdos que há em si mesmo, e que os alunos abandonem seu papel de receptores passivos. Isso é o pior de todos nós, não nos daremos mais a conhecer assim.
Vamos tentar construir juntos algo novo. É claro que nós, professores,vamos precisar de ajuda: os alunos saberão nos dizer como fazer. Será que eles aceitam ser nossos mestres? Acho que sim, é só por este próximo milênio. Nessa nova sala de aula, na verdade todos serão mestres.
E, curiosamente, a gente vai aprender como nunca.
                                                                                                         Andrea Cecília Ramal

Para refletir!
Como a tecnologia pode possibilitar uma transformação educacional?


Unidade 4 ELABORAÇÃO E EDIÇÃO DE TEXTOS

Unidade 3 BLOGS: O QUÊ? PARA QUÊ? COMO?

Blog: diário (de aprendizagem) na rede 

 Objetivos de aprendizagem desta Unidade de Estudo e Prática:
  •  Reconhecer as principais características dos Blogs;  
  • Construir um repertório inicial sobre as possibilidades de escrita digital nos Blogs;  
  • Realizar o processo minimamente necessário para criação de um Blog, percebendoalgumas das suas possibilidades de ajustes e configurações;  
  • Refletir sobre o papel dos blogs, a aprendizagem e a comunicação.
  •  Compreender o papel dos Blogs na comunicação da era digital.

    INTRODUÇÃO À EDUCAÇÃO DIGITAL ,GUIA  DO CURSISTA, PAG 105-106 BRASÍLIA, 2009 SEG. ED)

    video
    video

    UNIDADE 2 :NAVEGAÇÃO, PESQUISA NA INTERNET E SEGURANÇA NA REDE

    video